Aumentar Tamanho do Texto Tamanho do Texto Selecionado
HOME
Clique em um dos links abaixo
DESENVOLVIMENTO DA VISÃO
CONJUNTIVITES
ALERGIAS
TOXOPLASMOSE
RETINOBLASTOMA
DOENÇAS INFECCIOSAS
AMBLIOPIA - VOCÊ ESTÁ AQUI
CATARATA CONGÊNITA
GLAUCOMA CONGÊNITO
VISÃO SUBNORMAL
MÁ-FORMAÇÕES
LACRIMEJAMENTO
Clique em um dos links abaixo
PRINCIPAIS PROBLEMAS
RETINOPATIA DA PREMATURIDADE
EXAMES OCULARES
CIRURGIAS OCULARES
NOTÍCIAS
ARTIGOS
APRESENTAÇÃO A MÉDICA FALE CONOSCO ACESSO
Ambliopia

Qual a importância do tampão no tratamento?

Algumas vezes apenas um olho permanece tampado, outras vezes o tampão é alternado nos dois olhos. Neste controle o médico observa a idade do paciente, a severidade da ambliopia e a sua causa. Tudo isso é levado em consideração para se calcular quanto tempo um olho vai permanecer tampado. Além disso, os retornos para o controle com o médico ou ortoptista devem ser freqüentes para se evitar a inversão da ambliopia (o olho que enxergava melhor corre o risco de ficar ambliope). Quanto menor a criança, menor é o intervalo destas visitas.

Na criança, a visão está amadurecendo e o oftalmologista é como um jardineiro, vai amarrando a “plantinha” conforme ela vai crescendo e toda vez que examina observa se “o caule está reto” como prevê sua natureza: se entortou muito para um lado, amarra o caule para o lado contrário e noutro tempo observa o resultado e, assim, vai corrigindo.

Compreendemos que fazer tampão é uma tarefa árdua em tempos que até os bebês entendem sobre estética e tem o “querer” bem desenvolvidos. Mas quando o resultado é alcançado - e os pais e a criança observam a melhora - todos ficam felizes como o atleta que ergue a taça esquecido de quantas vezes chorou com dor e torções.

Em breve, falaremos mais sobre o tampão e resultados.

Autor: Dra. Lígia Beatriz Bonotto
Data: 9/2/2007


Imprimir  


O conteúdo deste site tem fins informativos e não pretende
substituir a consulta ou tratamento oftalmológico
Política Copyright Sitemap Sintonia Comunicação